home Blogs Eduardo Najjar
Voltar
01/04/14
O DNA do empresário familiar

Nas duas últimas décadas, tenho tido a sorte de conhecer muitos empresários, em diversas regiões de nosso país e do continente. Eliminando especificidades de cada negócio, das famílias e traços de personalidade específicos, observo neles um fio condutor de excelência, paixão e compromisso. Senão vejamos:

1. Acostumados a correr riscos e às contingências da atividade econômica, movem-se com relativo conforto no ambiente incerto e mutável do mundo dos negócios.

2. Na maior parte dos casos, seus talentos e habilidades não estão - necessariamente - alinhados com seu caminho educacional.  Não é incomum conhecermos os casos de estudantes brilhantes que não se destacam em suas carreiras;  é frequente encontrar estudantes de performance discreta, que se transformam  em empreendedores de sucesso. Entre as características principais, podem ser destacadas a intuição, o interesse pela vida de negócios e a agilidade mental.

3. Demonstrando um poder mental jovem - mesmo estando além da meia-idade - sua atitude exala entusiasmo e motivação.  Amam o que fazem, demonstrando esse fato em diversas ocasiões.

4. A análise detalhada do negócio e a utilização dos instrumentos clássicos de gestão não são o seu forte. Todo o resto é o aperitivo da ação de criar riqueza a cada dia.

5. Orientados para as pessoas profissionais, o seu círculo de relações tende a ser rico em quantidade e qualidade. Liderados por sua vocação e paixão, dois perfis se destacam em seu expediente  diário: conquista de clientes e atenção aos funcionários.  Atuam para que os clientes venham a fazer parte do cadastro da empresa, com preferência para a qualidade e prestação de serviços. Quanto à relação com os funcionários, muitas vezes surpreendem pela sua exigência de conhecimentos, profissionalismo e calor humano. 

6. Os fatores propriedade econômica, legal e emocional fazem com que incorporem um forte senso de responsabilidade em sua vida.  Para eles, liberdade e responsabilidade andam juntas, aguçando sua inteligência e sabedoria. Em algumas situações comportam-se como pessoas com baixa taxa de aversão ao risco; em outras ocasiões, cautelosos e conservadores. 

7. Comportando-se como estadistas, seu horizonte de tempo é estendido ao infinito. No íntimo, enxergam o horizonte em que sua luz se apagará e a saga da empresa continuará nas mãos da próxima geração. No cenário de curto prazo, não se deixam apanhar pela visão míope e pelas emergências do dia a dia. A partir de um tempo presente vivido intensamente, sonham e trabalham por um futuro promissor:  de crescimento e  muito mais  sucesso. 

Não confundem sobrenome com profissionalismo e competência. Sabem, desde cedo, que nem todos os membros da família devem ocupar cargos importantes no organograma do negócio.  Apenas aqueles que conseguirem agregar conhecimento, experiência, trabalho profícuo e valor para o patrimônio que construíram com muito esforço.

Acreditam que um quadro negativo se criará, caso a família - cada familiar - não se importe com o destino da empresa, dos negócios. 

Implementar em ritmo lento, mas seguro, o desenvolvimento e consolidação de um estilo de gestão participativo é uma tarefa urgente.

Delegar é a solução, ainda que contra a tendência natural de gestão do negócio, em que acreditam.

O gosto por perceber “detalhes” da realidade dos negócios  pode facilmente desenvolver uma personalidade perfeccionista, de caráter quase obsessivo;  difícil para voltar atrás e dar espaço para outros. 

Entendem que o processo (dilema) de sucessão deve fluir com facilidade e simplicidade. Veem o caso de inúmeras empresas familiares bem-sucedidas, reunindo inteligência e espírito empreendedor da primeira geração com maior preparação daqueles familiares que serão chamados para a gestão, no futuro. 

Geradores de riqueza, criadores de emprego, os empresários familiares formam uma variedade do tecido sociocultural nacional. Devem ser protegidos e incentivados.

*Artigo publicado na revista Diagnóstico n° 24.

Eduardo Najjar
Eduardo Najjar
Eduardo Najjar é expert brasileiro em Family Business. Consultor e palestrante associado da Empreenda, coordenador do GrandTour Family Business Internacional. É professor na ESPM e, além da Diagnóstico, é colunista do Blog do Management (Exame.com).

PUBLICIDADE

Blogs

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.