home Blogs Paulo Lopes
Voltar
11/09/12
O processo de seleção de executivos
A pesquisa seletiva de um executivo para ocupar determinada posição em uma organização é um trabalho muito meticuloso, solitário e disciplinado. Para que haja eficácia em um processo dessa natureza há, de modo geral, um mesmo padrão de passos a serem realizados por todas as empresas de seleção de executivos que atuam no mercado internacional, nacional ou regional.

Para que o processo tenha êxito, é necessária a plena compreensão da organização contratante do serviço, da posição a ser preenchida e do perfil do profissional a ser procurado, bem como o estabelecimento de uma verdadeira e transparente parceria entre a empresa e a consultoria, em relação a todos os pormenores. É norma mundial que tais informações sejam escritas e consolidadas em um relatório, o qual deve ser aprovado integralmente por ambas.

A etapa seguinte é a performance que pode ser conduzida pelo próprio consultor, empresa de pequeno porte, pelo departamento de pesquisa da empresa de consultoria ou por ambos. A função do departamento de pesquisa é coletar tantas informações quanto necessárias sobre os candidatos potenciais, empresas, ramos de atividade, funções e áreas geográficas relevantes. Todas as informações geralmente são estruturadas e consolidadas em sofisticados sistemas de banco de dados. 

O sucesso do trabalho do consultor é influenciado pelo apoio recebido do departamento de pesquisa para que disponha de uma amostra de profissionais altamente competentes para poder, seguramente, oferecer a seu cliente dois a três nomes dos melhores candidatos existentes no mercado. Essa atividade geralmente é realizada entre 15 a 30 dias, a depender do nível, da posição e abrangência da pesquisa. Normalmente, uma pesquisa fornece de nove a 15 nomes.

Na terceira etapa, com base na amostra de profissionais fornecida pelo departamento de pesquisa, o consultor inicia o exame detalhado da vida profissional e pessoal dos candidatos e se utiliza de um grande número de fontes de informações, visando construir um dossiê completo de cada profissional. Nessa fase, é comum ocorrer uma demora de tempo razoável, devido às dificuldades de localização e disponibilidade das fontes. De posse dos resultados, o consultor normalmente escolhe a amostra com a qual irá trabalhar na etapa seguinte.

A quarta etapa é a da entrevista com os profissionais, quando se dará conhecimento da oportunidade, da posição e do cliente (cuja identidade em hipótese alguma pode ser revelada), sem deixar pistas para que o candidato descubra. Nesse momento, as competências serão verificadas, assim como a motivação do candidato, sua posição atual e nível de remuneração. Com base nas entrevistas, o consultor marca uma reunião com o cliente para, juntos, discutirem a amostra. Como contrapartida, nesse contato também não são revelados ao cliente os nomes dos profissionais nem das empresas onde trabalham. Conjuntamente, é tomada a decisão, entre seis a nove candidatos, de quais os que atendem ao perfil da empresa – geralmente são dois ou três nomes. 

A seguir, outra reunião é agendada com os candidatos, quando é revelado o nome do cliente, mais detalhes e informações acerca da empresa, planos, estrutura, expectativas, nível salarial, entre outros dados. O consultor então decide quais serão os finalistas a serem apresentados ao cliente. A apresentação é formal, feita através de um relatório, no qual constam todas as informações relativas a dados pessoais, competências, experiências profissionais, habilidades, educação, comportamento etc. 

A etapa seguinte é a de coordenação das reuniões com os profissionais. Geralmente, as primeiras ocorrem no escritório da consultoria e consistem em entrevistas e negociações, sempre com o consultor presente e agindo como um terceiro, de forma profissional e com objetividade. Nesse momento, o consultor dará todo aconselhamento, orientação e apoio para que o executivo faça seu desligamento da posição atual, se estiver trabalhando com vínculo.

Finalmente, a última etapa, uma das mais importantes a serem realizadas pelas empresas de consultoria, é a de apoio e assessoramento na fase de adaptação do executivo àquela organização. Normalmente, o ajuste à nova cultura organizacional é muito delicado e pode afetar a sua performance e/ou permanência na organização. Algumas empresas de consultoria oferecem a seus clientes garantia de seis meses a um ano, caso o executivo se desligue, ou seja desligado. Se isso ocorrer, a depender dos motivos que levaram a essa decisão, será feita uma nova reposição de outro profissional para suprir a posição em aberto, sem ônus para o cliente.

A procura é um trabalho meticuloso, detalhista, com métodos e procedimentos bastante sistemáticos e que, quando realizados em sua plenitude, levam ao sucesso. Geralmente, há uma consideração por parte do consultor de que o tempo para a procura seja algo entre 45 a 60 dias. É importante, contudo, destacar que esse tempo é fortemente influenciado por uma série considerável de variáveis por parte do cliente, dos profissionais e do consultor. Portanto, a parceria e a transparência entre as partes envolvidas são fundamentais para que haja eficácia no processo e para que este ocorra em um tempo reduzido.
Paulo Lopes
Paulo Lopes
Paulo Lopes é Mestre em Administração, Sócio-Diretor da Organiza Consultoria de Gestão Empresarial e da Paulo Lopes Desenvolvimento Pessoal e Empresarial Ltda., Headhunter, Consultor, Coach e Palestrante.

PUBLICIDADE

Blogs

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.