home notícias Carreira
Voltar Voltar
28/02/13
Especialistas veem crise global em mercado de medicamentos
Novos estudos mostram a larga escala da falsificação e do comércio ilegal de remédios. Brasil é o décimo país com maior número de detenções ou prisões por falsificações
Folha de S. Paulo

Em 2008 a multinacional Pfizer contratou John Clark, um ex-funcionário de alto escalão da Alfândega dos Estados Unidos, para coordenar a divisão de segurança e propriedade intelectual da empresa, que colecionava relatos de casos de falsificação de 20 de seus medicamentos, incluindo o Viagra, o mais visado por esse tipo de crime em todo o mundo. Cinco anos depois, 60 drogas do laboratório estão sendo alvo do mesmo crime. A opinião de sanitaristas, laboratórios e agências de fiscalização é que há uma crise, embora não exista um levantamento preciso sobre o mercado de medicamentos falsos.

Segundo John Clark. o problema está crescendo exponencialmente agora e a estimativa geral é de que esse mercado movimente US$ 75 bilhões de dólares por ano. Clark foi um dos palestrantes, no último domingo, em um seminário promovido pela Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS), que reuniu cientistas e juristas em Boston. De acordo com um relatório do Instituto de Medicina, a divisão de saúde da Academia Nacional de Ciências dos EUA pede à Organização Mundial da Saúde que lidere a produção de um tratado internacional para combater o problema.

O documento reconhece que as regiões mais afetadas são as mais pobres. Na África já foram registradas fraudes das 20 drogas mais usadas contra pneumonia, diarreia e malária, as três principais causas de mortalidade infantil no continente. No Sudeste Asiático,  segundo um estudo do sanitarista Paul Newton, da Universidade de Oxford, que coordenou o seminário em Boston, 36% das drogas contra a malária são falsas.

O Brasil é o décimo país com maior número de detenções ou prisões por falsificações. É também o quarto no ranking de incidentes mantido pelo Pharmaceutical Security Institute, conselho de combate a danos de propriedade intelectual que reúne as 25 maiores farmacêuticas do mundo.

Veneno - Os medicamentos falsificados afetam a saúde pública não apenas pela sua ineficácia. Muitos deles são deliberadamente nocivos e contêm de tijolo e gesso a tinta com metais pesados, pesticidas e veneno de rato. Ao analisar um lote de drogas anti-HIV, o bioquímico Facundo Fernandez, do Instituto de Tecnologia da Georgia, descobriu que a pílula tinha um antibiótico que nada tem a ver com prevenção da Aids. Por que então utilizar um ingrediente ativo alterado, se é mais barato não usar nada?

O bioquímico desenvolve métodos para analisar drogas, um dos principais gargalos para a fiscalização. Os equipamentos que revelam rapidamente a composição de uma droga são grandes máquinas de laboratório, e investigações de campo têm de usar aparelhos menores. Mas o principal problema para detectar drogas falsas hoje é a alta qualidade das cópias das embalagens. "Os inspetores de remédio na maior parte do mundo não carregam nenhuma ferramenta a não ser seus próprios olhos", diz Newton.



PUBLICIDADE

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.