home notícias Carreira
Voltar Voltar
16/04/12
Futuros CEOs terão que reinventar administração, diz Hamel
Um dos pensadores de negócios mais influentes do mundo pelo “The Wall Street Journal” alerta que executivos devem começar a falar sobre paixão, criatividade e inovação
Da redação

A próxima geração de líderes empresariais será obrigada a promover transformações profundas no atual modelo de negócios, com uma espécie de reinvenção da administração. A tese é defendida por Gary Hamel, eleito um dos pensadores de negócios mais influentes do mundo pelo "The Wall Street Journal" e um dos fundadores da Strategos, consultoria estratégica e de inovação. Para o consultor, as ferramentas e princípios de gerenciamento de negócios e de pessoas que continuaram inalterados por muito tempo, deverão sofrer mudanças radicais a exemplo do que ocorreu com quesitos como produção, logística, propaganda e relacionamento com os clientes nos últimos cem anos. As informações são do jornal “Valor Econômico”.

 

“Desde a era industrial, o foco das companhias está em impor hierarquia, obter controle, disciplina e aumentar a produtividade de seus funcionários. Porém, elas vão ter sérios problemas se não começarem a falar sobre paixão, criatividade e inovação”, afirma. As empresas, no entanto, desencorajam tudo isso com burocracia e estruturas inflexíveis. O consultor esteve no Brasil para realizar palestras e lançar o livro “What Matters Now: How to Win in a World of Relentless Change, Ferocious Competition, and Unstoppable Innovation” (O que importa agora: Como vencer em um mundo de constante mudança, concorrência feroz e incontrolável inovação).

 

Hamel defende que tudo terá que ser diferente na administração, desde a forma como as empresas contratam até como remuneram e oferecem oportunidades de carreira para as pessoas. Mesmo os gestores que já se deram conta dessa nova realidade ainda não entenderam a urgência e o tamanho do problema. “Os executivos sabem que algo está acontecendo, mas não conseguem especificar quais são os fatores críticos e muito menos como resolvê-los”, diz.

 

O consultor recomenda que novas ideias sejam testadas no dia a dia, sem interferir de forma acentuada na operação, identificando se a estratégia funciona ou não em algumas divisões. Para alguns executivos, no entanto, o controle quase sempre supera e liberdade e a inovação. “Só porque você não quer que o futuro aconteça, não significa que ele não acontecerá”, alerta.

 

Segundo Hamel, o Brasil deveria aproveitar o momento de crescimento e estabilidade da economia para buscar novos modelos de gestão. “As empresas vivem um bom momento no país, mas isso não as torna mais competitivas globalmente. Crescimento acelerado nem sempre significa boa gestão, Índia e China são a prova disso”, afirma.



PUBLICIDADE

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.