home notícias Gestão
Voltar Voltar
16/05/17
Bahia recebe equipamento do Plano de Expansão da Radioterapia
Novo aparelho aumentará número de atendimentos no estado e deve atender 74 municípios da região. O investimento do Ministério da Saúde foi de R$ 4,9 milhões
Agência Saúde

A população de Feira de Santana (BA) e região recebeu o segundo acelerador linear do Plano de Expansão da Radioterapia no Sistema Único de Saúde (SUS). A estrutura do novo aparelho foi entregue neste sábado (13), pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, no Hospital Dom Pedro de Alcântara. O acelerador, que é utilizado no tratamento de vários tipos de câncer, possibilitará aumentar o número de atendimentos por mês em 74 municípios da região. O Ministério da Saúde investiu R$ 4,9 milhões na compra do equipamento e construção do bunker (espaço destinado para instalação do aparelho).

“A implantação desse equipamento vai possibilitar que as pessoas da região se desloquem menos para receber os tratamentos de radioterapia, o que é uma iniciativa de extrema importância para aqueles que sofrem de câncer. Esse é o nosso objetivo. Levar o tratamento para mais próximo dos brasileiros. Vamos continuar investindo para replicar esta medida em outras cidades do país”, ressaltou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

A Bahia possui oito hospitais que oferecem tratamento de radioterapia: Hospital Dom Pedro de Alcântara/Santa Casa de Misericórdia de Feira de Santana; Hospital Calixto Midlej Filho; Hospital São Rafael/Fundação Monte Tabor; Hospital Aristidez Maltez/Liga Baiana Contra o Câncer; Hospital Santa Isabel/Santa Casa de Misericórdia da Bahia; Hospital Santo Antônio/ Obras Sociais Irmã Dulce; Hospital Geral de Vitória da Conquista; Serviços de Assistência Médica de Urgência S.A (SAMUR).

Após a inauguração em Feira de Santana estão programadas as entregas de outros 78 equipamentos em 23 estados do país. Ao todo, cerca de R$ 500 milhões foram investidos para a aquisição de 80 aceleradores lineares, além da realização de projetos e obras. O primeiro aparelho, em funcionamento, foi entregue no Hospital da Fundação Assistencial da Paraíba (FAP), em Campina Grande (PB).

O Ministério da Saúde estuda a aquisição de outros 20 equipamentos por meio de aditivo ao contrato firmado em 2014 para a compra dos 80 aparelhos. Serão priorizados novos serviços, desconcentrando a oferta. Antes, a prioridade era a ampliação de serviços, em geral, nos grandes centros urbanos, mantendo o atendimento longe de parte da população. Os novos equipamentos que serão adquiridos viabilizará uma economia de aproximadamente R$ 25 milhões em relação ao que era realizado por meio de convênios.

Os projetos estão em andamento e serão executados dentro das atividades previstas do plano. Cabe ressaltar que os aceleradores lineares são equipamentos de altíssima complexidade tecnológica e não podem ser instalados sem os devidos cuidados com a proteção radiológica. As instalações exigem espaço físico com características peculiares e distintas das construções tradicionais de estabelecimentos e unidades de saúde, uma vez que envolve, por exemplo, sistemas de climatização específicos, refrigeração da água, sistema elétrico diferenciado e maior espessura das paredes. 

ASSISTÊNCIA – Nos últimos anos, observou-se uma crescente oferta da radioterapia no Brasil. Em 2010, foram realizados 8,3 milhões procedimentos de radioterapia. Em 2016 realizou-se 10,45 milhões, um aumento de 25,90%. No mesmo ano, na Bahia, foram realizados 528 mil procedimentos. Vale ressaltar que essa ampliação também é resultado do investimento realizado pelo Ministério da Saúde na compra de aceleradores lineares por meio de convênios. Consequentemente, a pasta ampliou em 48,6% os recursos para tratamento oncológicos (radioterapias, quimioterapias e cirurgias oncológicas), passando de R$ 2,06 bilhões em 2010 para R$ 3,07 bilhões em 2016. No de 2016, foram realizados 13,7 milhões de procedimentos.

FÁBRICA – O Ministério da Saúde e a Varian Medical Systems iniciaram em março de 2016, em Jundiaí (SP), a construção da primeira fábrica de aceleradores lineares da América Latina. A construção, finalização e operação da indústria é resultado do acordo de compensação tecnológica, promovido pelo Ministério para maior independência do mercado externo e expansão do tratamento de radioterapia no país. O Centro de Treinamento da Fábrica passará a operacionalizar em 2018.

A fábrica promoverá um maior acesso aos aceleradores lineares ampliando a qualidade do tratamento do câncer e radioterapia no Brasil. Isso porque atualmente, tanto os aparelhos, aceleradores lineares, como suas peças e softwares utilizados na programação das sessões de radioterapia no país são importados. Isso interfere diretamente nos custos e preços, que sofrem constantemente com flutuações cambiais e tornam o Brasil totalmente dependente do mercado externo.



PUBLICIDADE

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.