home notícias Gestão
Voltar Voltar
30/11/16
Entrevista: Ensino da Ética Médica é um desafio sem limites e, por isso, instigante
Professora da ESPN, Nedy Neves é autora do livro Ética para os futuros médicos: nosso trabalho é estimular a reflexão e não a doutrina
Da redação

O Brasil atravessa um período sombrio no que diz respeito a valores e ética, cabe a cada um mudar isso. Nedy Neves é professora de Ética Médica na EBMSP – Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública e autora do livro "Ética para os futuros médicos" - o que lhe dá responsabilidade acrescida -, e defende que todos temos a capacidade de discernir entre o certo e o errado. O papel dos educadores na formação de seres humanos e de médicos/cidadãos é de extrema importância. Nedy Neves não acha difícil a punição de profissionais não éticos, mas o processo em si deve ser rigoroso, para ser justo. E julgar não é tarefa fácil.

Diagnóstico - É possível ensinar ética para os futuros médicos?
Nedy Neves - A conclusão que cheguei após 15 anos de ensino da disciplina de Ética Médica na EBMSP – Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública - é que ética não se ensina. Então, há de se questionar a necessidade da manutenção da mesma na grade curricular do curso de Medicina. Posso afirmar que nosso trabalho é estimular a reflexão e não a doutrina. De acordo com Anna Arendt temos a capacidade de fazer julgamentos morais, discernir entre o certo e o errado, utilizando os valores intrínsecos que estão categorizados e memorizados por meio de preceitos da família e das experiências vividas.  Destarte, é da  esponsabilidade do mestre/facilitador do ensino/aprendizagem abrir novos caminhos, novas possibilidades e expandir a consciência dos educandos, permitindo que os futuros médicos façam melhores escolham durante sua vida profissional.  Na minha experiência esse trabalho tem sido muito gratificante, na medida em que lançamos sementes que poderão gerar frutos, formando médicos/cidadãos extremamente úteis à sociedade humana. Assim sendo, o ensino da Ética Médica é um desafio sem limites e por isso tão instigante.
 
Diagnóstico - Por que é tão difícil a punição de profissionais não éticos?
Nedy Neves - Não penso que é difícil a punição de profissionais não éticos. Há de se compreender que toda denúncia gera um processo e este tem um rito jurídico a ser adotado, tanto na Justiça, quanto nos Conselhos de Medicina. E como tal segue a legislação vigente, respeitando a norma superior, o Código Penal e Civil, assim como a Constituição Brasileira. Nesse diapasão é necessária a comprovação dos fatos, através de documentos, das oitivas das partes envolvidas e das testemunhas e da defesa dos denunciados. Desta forma, o processo torna-se moroso para que todas as etapas sejam cumpridas e para impedir sua nulidade. Findada esta fase ocorre o julgamento, que sendo realizado por Juízes e/ou Conselheiros esbarra em toda subjetividade humana da captação do ocorrido. Nessa perspectiva, pode-se depreender que não existe um equipamento para julgar. Cada caso é singular, único e submerso em numerosos pormenores, constituindo um formato particular e específico.  Portanto, julgar não é tarefa fácil. Como Conselheira do Cremeb – Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia – durante o período de 15 anos, fiquei imersa em profundas reflexões no momento de apresentar meu voto, sempre procurando conservar a calma, a serenidade e a racionalidade, no sentido de acertar e fazer justiça.

Diagnóstico - A senhora viu a matéria no Fantástico sobre a denúncia de órtese e prótese? Pode comentar?
Nedy Neves - Não vi a matéria do Fantástico, mas em relação às órteses e próteses, a discussão ocorre em terreno pantanoso e complexo. Há opiniões distintas. Se por um lado o avanço da tecnologia trouxe artefatos admiráveis, capazes de minimizar o sofrimento humano, por outro o sistema vigente alinhado com a produção e com os interesses econômicos é capaz de fazer mau uso dos inventos. Nessa seara, é imperiosa a escolha ética. Temos que clamar pelo bom senso, não pelo senso comum ou o comportamento reproduzido, mas pela ética das ações. É importante e necessária a avaliação da indicação diagnóstica e terapêutica. Lembrando que a melhor alternativa aponta para o melhor benefício, com o maior conforto, no menor tempo e no menor custo para o paciente, buscando isenção de influências externas. Vivemos num momento difícil neste País onde os valores se perderam. E como na cegueira de Saramago a população está vagando, sem identificar quem é quem e sem saber por onde e para onde caminha. Isso reflete diretamente na escolha dos seus próprios representantes, que diariamente surpreendem com episódios inusitados. Todavia vale lembrar os existencialistas: “Somos livres para as escolhas, mas somos responsáveis pela suas conseqüências”.

Diagnóstico - A senhora já conviveu com colegas não éticos? Os denunciou?
Nedy Neves - Já ouvi muitos relatos de comportamentos não aceitáveis para médicos, mas nunca presenciei, nem comprovei sua veracidade e por obvio, não denunciei pessoalmente. Entretanto, como Conselheira do Cremeb tive diversas oportunidades de encaminhar documentos que permitiram a abertura de Processos Éticos Profissionais ex ofício.

Diagnóstico - Quais foram as principais críticas que a senhora ouviu sobre seu mais famoso livro, "Ética para os futuros médicos"?
Nedy Neves - Com a 1ª edição esgotada, a maior crítica sempre foi a inexistência da 2ª.

Entrevista publicada na revista Diagnóstico n° 32.



PUBLICIDADE

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.