home notícias Gestão
Voltar Voltar
10/06/13
Hapvida aproveitou falta de concorrentes e virou líder no mercado que mais cresce no Brasil
Com atuação concentrada na classe C, a cearense mudou estratégia e virou a terceira maior operadora de planos de saúde do país em número de clientes
Exame

O mercado de saúde no Nordeste é o que mais cresce no Brasil. Graças ao propalado aumento de renda dos últimos anos, os nordestinos de renda baixa incluíram os planos de saúde entre as “mordomias” a que passaram a ter acesso, como iogurte, TV a cabo e escolas particulares. Mais de 1,5 milhão de moradores da região viraram clientes de planos privados, desde 2008 - um crescimento médio de 8% ao ano, quase o triplo da média nacional. Em 2012, o Nordeste ultrapassou o Sul como o segundo maior mercado de saúde do país, atrás apenas do Sudeste. Como era de esperar, esse avanço colocou a situação no foco das grandes operadoras. Redes como Amil e Bradesco Saúde, que há anos duelam pela liderança em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, veem os nove estados nordestinos como uma oportunidade para o futuro. Mas, para avançar por lá, elas vão precisar superar um concorrente que largou com anos de vantagem: a cearense Hapvida, fundada em 1986. Com faturamento de 1,2 bilhão de reais em 2012, a empresa é líder absoluta no Nordeste - e não tem planos de facilitar a vida dos novatos. 

Durante mais de 20 anos, a Hapvida se dedicou a atender os moradores mais ricos de Fortaleza. Seu primeiro endereço, o Hospital Antônio Prudente, ficou conhecido pelos serviços de luxo e por ter feito o primeiro transplante de coração do estado. Até que, há cinco anos, o médico Jorge Pinheiro de Lima, filho do fundador, reposicionou o Hapvida para atender uma fatia da população que jamais havia sonhado em ter um plano de saúde - as classes C e D. Vem dando certo. Em cinco anos, a empresa passou de seis para 19 hospitais e chegou a 2,3 milhões de clientes. A Hapvida tem unidades em todos os estados do Nordeste e do Norte, exceto em Roraima, Amapá e Rondônia. Embora seja desconhecida no Sul e no Sudeste, na virada do ano a empresa superou a paulista Intermédica e tornou-se e tornou-se a terceira maior operadora do Brasil em número de clientes - atrás apenas da Amil e da Bradesco Saúde. O controle e a gestão ainda são totalmente familiares. Jorge é o presidente. Seu pai, Cândido, é o presidente do conselho de administração e o irmão, Cândido Junior, é o responsável pela área comercial. “Mudamos nossa estratégia para aproveitar a transformação do Nordeste. Quando começamos, não tínhamos um grande concorrente”, diz o presidente, Jorge Pinheiro de Lima.

A Hapvida criou um modelo de negócios sob medida para as regiões em que atua - famosas por ter as duas menores rendas familiares do país. Seus planos custam, em média, 45 reais por mês, um quinto do preço cobrado pela Amil e 25% menos que a Intermédica, que também atende consumidores das classes C e D. Fazer a conta fechar é o maior desafio da Hapvida. Para isso, nos últimos dez anos a companhia comprou 11 hospitais, e ergueu outros quatro, além de ter construído 76 clínicas  e 48 laboratórios de diagnóstico. Dessa maneira, consegue fazer 90% de suas internações e exames nas próprias unidades (Na Amil, conhecida por ter seus próprios hospitais e laboratórios, esse índice é de apenas 40%). “Quando fazemos um exame no nosso laboratório, além de não pagar pelo lucro de um terceiro, temos certeza de que foi feito com o menor custo possível”, diz Pinheiro de Lima. A Hapvida também é radical no controle de custos. Um exemplo emblemático é que, há dois anos, a empresa parou de entregar aos pacientes as chapas de exames de raios-x e de tomografia. Agora, eles recebem um CD com a versão digital da imagem, o que gera economia de 1 milhão de reais por anos. “Com os custos dos serviços de saúde subindo o dobro da inflação, ter o controle total da operação se tornou fundamental”, afirma Humberto Torloni Filho, vice-presidente da consultoria de saúde Aon Hewitt.

Mas cobrar mensalidades tão baixas também tem suas desvantagens. Em 2012, a Hapvida teve lucro estimado em 20 milhões de reais - margem abaixo de 2%, o equivalente à metade da média do mercado. Isso apesar de atuar em um mercado que conhece como ninguém e sem concorrentes de peso (a empresa não comenta os números). Agora, a disputa ficará mais intensa com o aumento do interesse de concorrentes como Amil e Bradesco Saúde. A Hapvida, portanto, tem pela frente o desafio triplo de melhorar as margens, proteger seu mercado de origem e buscar novos consumidores. Para isso, planeja investir 75 milhões de reais neste ano na ampliação de seus hospitais e em aquisições, dentro e, principalmente, fora do Nordeste. A necessidade de investir fez com que a família fundadora, pela primeira vez, começasse a buscar um sócio, com a ajuda do banco Goldman Sachs e da butique de investimentos BR Partiness. “Nosso modelo pode ser levado para todo o Brasil, e podemos fazer isso mais rapidamente com o dinheiro de um investidor”, afirma Pinheiro de Lima. Replicar a fórmula que deu certo no Norte e no Nordeste em regiões com outra clientela - e com concorrência mais acirrada - não será simples. Mas os sócios da Hapvida acham que chegou a hora de testar em São Paulo a fórmula que deu certo em cidades como Mossoró. Desta vez, os concorrentes estão esperando.

*As informações são da Revista Exame.



PUBLICIDADE

Mais lidas


    Warning: mysql_num_rows() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/diagnosticoweb/www/noticia-interna.php on line 309

    Warning: mysql_free_result() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/diagnosticoweb/www/noticia-interna.php on line 322

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.