home notícias Gestão
Voltar Voltar
28/03/12
Menos da metade dos laboratórios tem controle de qualidade
No Nordeste, Gilson Cidrim (PE) e Leme (BA) apostam em certificações e mecanismos de controle para ganhar credibilidade no mercado
Da redação

Menos da metade dos 16 mil laboratórios de diagnóstico do país tem controles internos de qualidade, e apenas uma parcela mínima (2%) passa por auditorias externas (acreditadoras) que avaliam seus processos. Os dados são da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial (SBPC/ML).

 

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, os dados ajudam a explicar o número de ações por erros de exames clínicos e de imagem que tramitam nos Tribunais de Justiça do país. O setor movimenta R$ 12 bilhões ao ano. Entre 2000 e 2007, houve 1.509 processos contra laboratórios, segundo pesquisa nacional feita pelo bioquímico Humberto Tibúrcio, do Sindlab (Sindicato dos Laboratórios de Minas Gerais).

 

No Nordeste, os laboratórios Gilson Cidrim, em Pernambuco, e Leme, na Bahia, apostam em certificações e mecanismos de controle para ganhar credibilidade no mercado. “O objetivo maior é a segurança. O controle de todas as etapas possibilita garantias e credibilidade”, avalia Ana Paula Tude, gerente de Qualidade do Leme, um dos mais tradicionais laboratórios da Bahia.

 

Com certificação ISO 9001: 2008 e do Programa de Acreditação de Laboratórios Clínicos (PALC), da SBPC/ML, o Leme figurou no último ranking das 250 pequenas e médias empresas que mais cresceram no Brasil de 2008 a 2010, em pesquisa realizada pela Deloitte em parceria com a revista Exame PME.

 

Para o controle interno, as ações do incluem a validação dos reagentes – materiais para exames –, antes e depois de entrar na rotina. Diariamente, amostras são passadas pelos exames, antes e durante os procedimentos. O objetivo é confirmar se os equipamentos estão dentro da qualidade. “Trabalhamos, também, com vários programas de estatísticas, onde verificamos se os controles estão acima da média ou não”, pontua Ana Paula.

 

Para Gilson Cidrim, presidente da rede de laboratórios que leva o seu nome, com sede em Recife, os mecanismos internos e externos de controle de qualidade são fundamentais para garantir bom atendimento e se manter vivo no mercado. “O mercado é competitivo, temos que prestar serviços com seriedade e excelente qualidade para ter a confiança do cliente”, disse ao Portal Diagnósticoweb. 

 

A rede de laboratório de Cidrim é a maior do Nordeste e possui certificado de Excelência do Programa Nacional de Controle de Qualidade (PNCQ), patrocinado pela Sociedade Brasileira de Análises Clínicas, desde a sua fundação, em 1997.

 

Ações - A Folha de S. Paulo localizou, entre 2008 e o início deste ano, 1.780 ações (julgadas em segunda instância, a única que permite pesquisa livre) por danos morais contra o setor da medicina diagnóstica. Só no Tribunal de Justiça de São Paulo, foram 449 processos, 72% deles especificamente sobre denúncias de erros de exames.

 

"Erros de laboratórios são evitáveis na maioria das vezes. No Brasil, a gente não está tratando bem essa questão", diz Wilson Shcolnik, diretor de acreditação e qualidade da SBPC/ML. A partir de setembro, por resolução da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), os planos terão que divulgar quais os laboratórios da sua rede são qualificados.

 

>> Leia também:

Medicina Diagnóstica: players do NE resistem à consolidação



PUBLICIDADE

Mais lidas


    Warning: mysql_num_rows() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/diagnosticoweb/www/noticia-interna.php on line 309

    Warning: mysql_free_result() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/diagnosticoweb/www/noticia-interna.php on line 322

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.