home notícias Gestão
Voltar Voltar
07/08/17
MS destina R$ 4,3 milhões para assistência hospitalar em seis municípios da região de Curitiba
Desse total, R$ 1,1 milhão será destinado para custear ambulâncias do SAMU e R$ 3,2 milhões para ampliar e qualificar serviços
Agência Saúde

O estado do Paraná recebeu mais um reforço na ordem de R$ 4,3 milhões para ampliar e qualificar a assistência hospitalar em seis municípios da região de Curitiba (PR). O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, nesta sexta-feira (4), durante cerimônia na Prefeitura Municipal de Curitiba (PR). Deste total, R$ 1,1 milhão será destinado para custear cinco ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e R$ 3,2 milhões para reforçar os serviços da atenção hospitalar e média e alta complexidade da região.

“O nosso objetivo é melhorar, ampliar e qualificar o acesso aos serviços de saúde e é isso que estamos fazendo em todo o País. Hoje, o SAMU da região de Curitiba está sendo reforçado, habilitando ambulâncias a receberem recursos do Governo Federal. Além disso, os municípios da região também estão sendo contemplados com investimentos em ações de média e alta complexidade. Com o apoio dos gestores locais, estamos conseguindo avançar com um diálogo bem aberto e transparente, ampliando os serviços da saúde pública e beneficiando, principalmente, a população”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

A ampliação dos recursos para o SAMU será para habilitar cinco veículos que já existem e estão em funcionamento nos municípios de Pinhais (2), Piraquara (1) e Colombo (2), mas ainda não recebiam recursos da contrapartida federal. As ambulâncias estão vinculadas à Central Metropolitana de Regulação das Urgências de Curitiba, que poderá ampliar os serviços de urgência e emergência à população local com esse novo aporte financeiro.

O objetivo do SAMU, que funciona 24h por dia, é socorrer rapidamente pacientes com necessidade de serem levados a unidades que prestam serviços de urgência e emergência, como UPAs e hospitais, para atendimentos clínicos, cirúrgicos, obstétricos, entre outros, evitando sofrimento, sequelas ou até mesmo a morte da pessoa.

O acionamento do SAMU se dá pela ligação gratuita à Central de Regulação de Urgências, por meio do número 192. A partir do primeiro atendimento, as equipes formadas por médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e condutores socorristas, são destacadas para prestar o atendimento no tempo mais curto possível. Também está entre as prerrogativas do SAMU o atendimento telefônico de pessoas para orientações até a chegada da equipe.

No início do ano, o Ministério da Saúde anunciou a doação de 23 ambulâncias para renovar a frota do SAMU em 18 municípios do estado, incluindo Curitiba. A distribuição se deu da seguinte forma: Apucarana (1), Assaí (1), Cascavel (1), Coronel Vivida (1), Curitiba (5), Ibaiti (1), Ibiporã (1), Jacarezinho (2), Londrina (2), Medianeira (1), Missal (1), Pontal do Paraná (1), Santo Antônio da Platina (1), São Jerônimo da Serra (1), São José dos Pinhais (1), São Miguel do Iguaçu (1), Siqueira Campos (1) e Uraí (1), totalizando investimento de R$ 5,07 milhões.

Hoje, o estado do Paraná conta com 189 ambulâncias, 2 motolâncias e 4 aeromédicos, vinculados a 12 Centrais de Regulação e cobertura de 309 municípios e 9,6 milhões de pessoas (85,5% do total), ao custo anual de R$ 37 milhões. O município de Curitiba possui 26 ambulâncias e 1 aeromédico em funcionamento, com custeio anual federal de R$ 11,9 milhões. O serviço cobre 1,89 milhão de pessoas (100% da população).

ATENÇÃO HOSPITALAR – O Ministério da Saúde também liberou mais um reforço de R$ 3,2 milhões para ampliar e qualificar os serviços da atenção hospitalar e média e alta complexidade dos municípios de Campo Largo, São José dos Pinhais e Curitiba. Em um ano de gestão do ministro Ricardo Barros, o estado do Paraná foi contemplado com R$ 445,3 milhões para custeio de mais de 690 serviços em 81 municípios e emendas parlamentares para 323 municípios. Deste total, R$ 156,2 milhões foram destinados ao custeio de serviços, sendo R$ 18 milhões referentes a 2017.

Quanto às emendas parlamentares, foram empenhados R$ 264,4 milhões, dos quais foram pagos R$ 179,1 milhões. Com os recursos, os gestores locais podem custear serviços como consultas, exames, diagnóstico, tratamento clínico e cirúrgico, reabilitação, acompanhamento pré e pós-operatório, leitos de UTI, entre outros. Os procedimentos envolvem, por exemplo, transplantes, processo transsexualizador, terapia renal, terapia nutricional, tratamentos bariátricos, implante coclear, doenças raras, ortopedia e neurocirurgia.

ATENÇÃO BÁSICA – Além desses valores, somam-se R$ 23,6 milhões destinados à ampliação e reforço atenção básica, principal porta de entrada para o Sistema Único de Saúde (SUS), divulgados em julho no estado do Paraná. O recurso beneficia o custeio de novos serviços, como Equipes de Saúde da Família, Consultórios na Rua, Equipes de Saúde Bucal e Agentes Comunitários de Saúde. O Ministério da Saúde também investe na promoção e avaliação dos serviços de saúde bucal pelo Programa Saúde na Escola, articulação intersetorial envolvendo também o Ministério da Educação (MEC), com ações voltadas às crianças, adolescentes, jovens e adultos da educação pública brasileira. Entre as ações, estão medidas como incentivo à aplicação do flúor, escovação supervisionada e rodas de conversas com alunos, pais, responsáveis e professores.



PUBLICIDADE

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.