home notícias Gestão
Voltar Voltar
02/02/13
Substância tóxica pode ter causado mortes em hospital de Campinas
Segundo a Vigilância Sanitária, os lotes de medicamentos que estão interditados em todo o estado de São Paulo não serão liberados porque dependem de outros exames
Agência Brasil

São Paulo – A análise do sangue dos três pacientes que morreram após uma ressonância magnética cerebral com uso de contraste em Campinas (SP) apontou que a provável causa dos óbitos foi contaminação por substância tóxica. De acordo com o secretário municipal de Saúde, Carmino Antônio de Souza, os exames feitos pela Vigilância Sanitária de Campinas utilizou material coletado pelo próprio Hospital Vera Cruz, onde as mortes ocorreram, pouco tempo antes de os pacientes morrerem.

Os peritos da Vigilância constataram que as três vítimas apresentavam coagulação intravascular disseminada aguda e hemólise. Segundo o secretário, a coagulação foi ocasionada por uma importante redução do número de plaquetas no sangue, sem que houvesse uma função biológica, como a correção de uma hemorragia, por exemplo.

O sangue coletado foi comparado com exames feitos em dois dos pacientes dias antes de suas mortes. Isso descartou a possibilidade de que eles tivessem chegado ao hospital, antes da ressonância magnética, com uma baixa de plaquetas. “Os exames recentes desses pacientes mostram que o número de plaquetas estava normal”, disse o secretário.

A presença de hemólise apontou que os glóbulos vermelhos do sangue dos três pacientes foram, em parte, destruídos. “O plasma deles estava muito vermelho”, disse.

Segundo Carmino, os resultados indicam que uma substância tóxica deve ter sido a causa das três mortes, porém, ainda não é possível concluir em que parte do procedimento do exame de ressonância magnético a contaminação ocorreu. “Estamos esperando os peritos fazerem as análises químicas para a gente saber qual foi a substância”, disse. “Estamos afunilando cada vez mais em direção a uma causa toxicológica”.

O secretário acrescentou que causas microbiológicas, como bactérias e fungos, estão descartadas, pois não estiveram presentes nos produtos aplicados nas vítimas analisados até o momento. Resultados preliminares divulgados nesta sexta-feira sobre a análise no soro fisiológico utilizado nos três pacientes feita pelo laboratório do Instituto Adolfo Lutz não apontaram existência de bactérias.

Segundo a Vigilância Sanitária de Campinas, os lotes de medicamentos que estão interditados em todo o estado de São Paulo não serão liberados, porque dependem de outros exames que ainda serão feitos pelo instituto.

Ontem, um homem de 52 anos passou mal e precisou ser internado na unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Maternidade Frei Galvão após fazer uso do contraste na cidade de Guaratinguetá (SP). Segundo o hospital, o paciente permanece na UTI, mas respira sem a ajuda de aparelhos.

O hospital Frei Galvão informou que decidiu suspender os exames de ressonância magnética com uso de contraste enquanto são feitas as investigações. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que está descartada a possibilidade de proibir em todo o país a utilização dos lotes de medicamentos que provocaram as mortes em Campinas e a internação em Guaratinguetá.

Leia mais:
>> Três pacientes morrem após realizar ressonância magnética
>> Homem vai para UTI após exame de ressonância magnética em Guaratinguetá (SP)



PUBLICIDADE

Mais lidas


    Warning: mysql_num_rows() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/diagnosticoweb/www/noticia-interna.php on line 309

    Warning: mysql_free_result() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/diagnosticoweb/www/noticia-interna.php on line 322

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.