home notícias Mercado e Negócios
Voltar Voltar
29/03/18
Brasil não preenche 40% das vagas autorizadas para residência médica
Instituições obtêm autorização para abrir vagas mas, diante da ausência de financiamento das bolsas, acabam desistindo ou ofertando menos postos
Da redação

Segundo estudo feito pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) com apoio do Conselho Federal de Medicina e do Conselho Regional de Medicina de São Paulo mostra que 40% das vagas autorizadas para residência médica estão inocupadas. Ao todo, são 22.890 vagas disponíveis pelo país. Além de não atender às necessidades da assistência, os postos ociosos dão visibilidade a grande contradição na formação médica brasileira.

Enquanto quase metade dos postos está vaga ou nem foi ativada, muitos profissionais enfrentam processos seletivos para cursos de especialização tão disputados quanto uma prova de vestibular. Coordenador do estudo, o professor da USP Mário Scheffer, atribui o problema, em parte, à falta de recursos. Instituições obtêm autorização para abrir vagas mas diante da ausência de financiamento das bolsas, acabam desistindo ou ofertando menos postos do que a sua real capacidade.

A bolsa mensal do residente de medicina é de R$ 3.330. Nos hospitais universitários federais, o financiamento do treinamento é feito pelo Ministério da Educação (MEC). A pasta da Saúde, por sua vez, arca com bolsas atreladas a programas estratégicos. Estados, municípios, hospitais filantrópicos e privados financiam bolsas de residência em seus próprios serviços.

A coordenadora geral das residências em saúde do MEC, Rosana Leite de Melo, afirma que o “congelamento” das vagas de residência é irregular. “Quando a autorização é concedida, as instituições devem cumpri-la. Não é apenas uma transação administrativa. O Estado conta que tais vagas sejam abertas, que entrem em funcionamento para que médicos sejam treinados”, explica.

Além da falta de recursos, outros fatores contribuem para as altas taxas de vagas ociosas. Um deles é a falta de profissionais encarregados de orientar os alunos durante a formação. “Esse não é um posto obrigatoriamente remunerado. Com a ampliação das vagas, instituições se deparam com a dificuldade de encontrar profissionais dispostos a atuar”, afirma Rosana.

Os dados do estudo feito pela USP, batizado de Demografia Médica, indicam uma diferença significativa das vagas ociosas de acordo com o ano de residência. Em 2017, o 1º ano de residência apresentava 5.933 vagas não ocupadas. Já no 2º ano, o número saltava para 10.529. Na avaliação de Rosana, a diferença entre as vagas ofertadas e as efetivamente usadas indicam a necessidade de melhor planejamento.

“Passar no curso é difícil. Mas ninguém quer dedicar dois, três, quatro anos de sua vida para uma formação que não é boa. Quando o médico percebe que a residência não é boa, ele desiste, tenta em outro lugar”, afirma Juracy Barbosa, de 33 anos, que há duas semanas concluiu a residência em Ortopedia e Traumatologia no Hospital das Forças Armadas, em Brasília. Agora, ele se prepara para se dedicar a uma subespecialidade.

Mesmo especialidades mais buscadas, como Clínica Médica, Pediatria, Cirurgia Geral e Ginecologia e Obstetrícia têm aproximadamente 30% das vagas autorizadas não preenchidas. “Vagas ociosas representam um desperdício. Médicos especialistas são essenciais no sistema de saúde brasileiro”, afirma Scheffer.

O Ministério da Saúde informou, por meio de nota, que o programa de residência médica tem como objetivo dar prioridade às regiões onde existe carência na assistência e de formação profissional. As vagas do programa são definidas em acordo com secretarias municipais e estaduais de saúde, com base nas necessidades locais. Entre as ações, está a concessão de bolsas e formação de tutores do programa. O ministério financia vagas de residência autorizadas pela Comissão Nacional de Residência Médica.

“Residente é mão de obra barata. Em muitos programas, ele é chamado para trabalhar muito e aprender pouco”, resume Juracy Barbosa. Entre as principais queixas dos estudantes, segundo ele, estão a falta de qualidade dos cursos ou dos tutores, excesso de horas de atividades e tratamento desrespeitoso pelo orientador ou pelos colegas.

“Depois da graduação, passei direto para a residência, mas muitas pessoas têm de recorrer a cursos preparatórios”, conta Barbosa. A procura pelos cursinhos especializados em provas de residência têm aumentado nos últimos anos. As classes são práticas e teóricas. “As pessoas investem cerca de R$ 1 mil mensais, durante um, dois anos, para passar na prova. Muitos se frustram quando têm de enfrentar o dia a dia”, afirma Barbosa.

Segundo ele, o “que mais mobiliza os médicos a abandonar o curso é a falta de qualidade. Depois do investimento em horas de estudo, em pagar cursinhos, os profissionais querem ensino de boa qualidade. Muitas vezes eles desistem, voltam a estudar para procurar lugar melhor”.

Barbosa afirma que não é raro ouvir de residentes reclamações sobre o pouco comprometimento dos preceptores. “Esses professores muitas vezes não recebem nada por ensinar. Além da falta de incentivo financeiro, o residente pode representar um estorvo para o professor. Quando ele dedica um tempo para explicar o caso, tirar dúvidas, o atendimento ao paciente fica mais demorado. Em outras palavras, o trabalho dele pode ficar atrasado”, diz. Em vários casos, residentes de cirurgia têm dificuldades de participar, de fato, das operações. “Eles querem usar o bisturi. E isso muitas vezes não ocorre.”



PUBLICIDADE

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.