home notícias Mercado e Negócios
Voltar Voltar
03/12/14
Envolver o setor privado é caminho para saúde pública
Gonzalo Vecina Neto, do Sírio Libanês: experiência é bem sucedida em outros países, como o Reino Unido, e não significa a eliminação de um atendimento gratuito
Marcello Casal Jr, da Agência Brasil

São Paulo - Fazer parcerias entre hospitais públicos e privados, médicos do SUS e laboratórios particulares seria um dos caminhos para melhorar a questão da saúde no país. Essa foi uma das conclusões dos participantes do primeiro debate do Fórum Exame Info – O Futuro da Saúde, organizado pelas revistas Exame e INFO em São Paulo.

A conversa “Como Melhorar a Gestão do Sistema Público” foi mediado por André Lahóz, diretor da Unidade de Negócios da Editora Abril, e contou com a participação de Gonzalo Vecina Neto, superintendente corporativo do Hospital Sírio Libanês, Michele Caputo Neto, secretário de Estado de Saúde do Paraná, e René Parente, líder de prática de saúde no Brasil da Accenture.

“A maior dificuldade (do sistema de saúde no Brasil) é romper com o preconceito e corporativismo do setor para ganhar agilidade”, diz Caputo Neto. Segundo ele, falta aos gestores a visão de que é preciso ter escala para que um investimento seja viável.

“No Paraná, por exemplo, é comum na audiência com deputados, prefeitos e secretários municipais, ouvir demanda para construir hospitais com 15 leitos, comprar equipamentos ou criar laboratórios municipais muito específico”.

Caputo afirma que, levando em conta as necessidades demográficas, é possível montar redes em parceria com o setor privado para atender às diferentes necessidades da população.

“Enxergamos parceiros da filantropia e do privado, especialmente na alta complexidade de urgência e emergência, como preferenciais para fazer investimentos”, diz, citando melhora nos índices de mortalidade materna e nenonatal nas maternidades graças a esses investimentos. “Os melhores índices são nesses consórcios”.

A necessidade de parcerias entre os setores também pode ser evidenciada pelos números. “Hoje, o Brasil gasta de 9% de seu PIB com saúde. Mas esse total, apenas 45% correspondem aos gastos dos 150 milhões de brasileiros que dependem do serviço público de saúde”, diz Gonzalo. Isso significa que 55% dos gastos de saúde beneficiam apenas 50 milhões de pessoas, ou ¼ da população, que tem acesso a médicos particulares. “E, desse total, 80% são pagos por empresas na forma de benefícios, como convênios”.

Segundo Gonzalo, essa possibilidade de juntar forças e integrar redes é bem sucedida em outros países, como o Reino Unido, e não significa a eliminação de um atendimento gratuito.

“O SUS não vai deixar de existir, como o National Health Service não deixou de existir na Inglaterra”.

A melhor solução para o mercado nacional, no entanto, não seria um modelo importando. “O ideal é criar um novo sistema para o Brasil”, diz Parente. “Mas é importante lembrar que discutir o futuro da gestão nos serviços públicos é discutir governos, governantes e gestores”, diz Caputo. “Nada disso resiste à incompetência e corrupção do estado”.



PUBLICIDADE

Mais lidas


    Warning: mysql_num_rows() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/diagnosticoweb/www/noticia-interna.php on line 309

    Warning: mysql_free_result() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/diagnosticoweb/www/noticia-interna.php on line 322

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.