home notícias Mercado e Negócios
Voltar Voltar
27/01/12
Recife aposta na captação de pacientes angolanos
Trade de saúde da capital quer apresentar seus serviços e estuda criar voo direto Recife-Angola
Raissa Ebrahim, do Recife

Recife, segundo maior polo de saúde do Brasil, quer se tornar captador de turistas à procura de tratamento médico provenientes de países de língua portuguesa, com especial destaque para a Angola. Um estudo feito pela B&R Consultoria já está pronto para ser trabalhado junto às instituições privadas locais. A intenção é executar o plano em três etapas: mapeamento, venda do destino e captação de pacientes.

 

O Sindicato dos Hospitais de Pernambuco (Sindhospe) está estudando, junto à Secretaria de Turismo do município, a viabilidade de um voo, com uma frequencia de uma a duas vezes por semana, direto com Luanda, capital da Angola. O presidente do Sindhospe, Mardônio Quintas, já tem uma reunião marcada, para a próxima semana, com o secretário municipal André Campos. Também será escolhida uma agência de viagem para se dedicar à venda do destino médico.

 

“Precisamos disseminar o destino Recife. Muitos angolanos que vão se tratar em São Paulo, por exemplo, não sabem que serviços podemos oferecer localmente, quais os nossos preços e que outros atrativos temos a oferecer, como um excelente polo gastronômico e um lindo litoral”, comenta Breno Santana, sócio da B&R que coordenou o estudo. “Também é possível atrair muita gente de lá que costuma ir se tratar em Portugal”, diz ele.

 

Como exemplos de unidades referência para determinadas especialidades, ele cita o Hospital São Marcos, para queimados; o Real Hospital Português e o Unicordis, para cardiologia; o Jayme da Fonte, para transplantes; o De Ávila, para maternidade e neonatologia; entre outras. Isso sem falar de grandes instituições como Esperança, Santa Joana e Memorial São José.

 

Um paciente turista costuma gastar oito vezes mais que um turista de lazer. O valor pago nos procedimentos pode ser até três vezes maior que os pagos pelos convênios locais, além do benefício do pagamento em cash em 80% dos casos.

 

“Não é viável querer trabalhar com a captação de americanos. Não há como competir com lugares como a Índia, por exemplo. É preciso ser realista e apostar num mercado com um potencial maior para o Recife”, alerta Santana.

 

A B&R já trabalhou com praticamente 90% das empresas da área de saúde, entre hospitais, clínicas e home care, no Recife, além de algumas no interior de Pernambuco. 



PUBLICIDADE

Mais lidas


    Warning: mysql_num_rows() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/diagnosticoweb/www/noticia-interna.php on line 309

    Warning: mysql_free_result() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/diagnosticoweb/www/noticia-interna.php on line 322

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades do Diagnosticoweb em seu e-mail

agenda

facebook

© Copyright 2012, Diagnósticoweb . Todos os direitos reservados.